Como eliminar gastos supérfluos do orçamento doméstico

Spread the love

 

 

Supérfluo ou necessário?

Como eliminar gastos supérfluos do orçamento doméstico
5 (100%) 1 vote

 

Como eliminar gastos supérfluos do orçamento doméstico

 

Antes de mais nada, vou lhes contar a frase que mais escutei na minha infância: Isto é supérfluo! E como eu detestava! Tudo que eu pedia era supérfluo. Mas eram outros tempos, a inflação era altíssima, e eu na minha tenra idade não entendia.

 Com o decorrer dos anos,  a inflação deixou de ser um bicho de 07 cabeças. E simultaneamente  minha infância passou a ser uma lembrança boa de tempos remotos. E raramente eu escutava o termo supérfluo.

Antes de mais nada, vamos nos atentar ao significado desta palavra que fez parte do meu vocabulário, mas que com certeza não faz parte do vocabulário dos jovens de hoje:

SUPÉRFLUO: tudo aquilo que ultrapassa a necessidade, que é mais do que se necessita.

No decorrer do tempo houve uma melhoria quanto ao poder aquisitivo das pessoas. Obviamente foi uma grande vitória que fez com que os jovens de hoje não soubessem o valor do dinheiro. Então, as coisas ficaram fáceis demais, o “não” deixou de ser dito aos jovens. Tudo se tornou possível. “Não quero que meu filho passe o que eu passei.” Não entendo o que houve de errado em ouvir não, ou entender o que é necessidade ou supérfluo. O que eu passei, ou vivi, ou ouvi, me fizeram ser quem sou hoje. Então agradeço cada “não” e cada “isto é supérfluo” que eu ouvi.

Mas o que as pessoas fizeram com a redução da inflação?

Simultaneamente as pessoas começaram a comprar! E se sentiram ricas! “Sou da classe média agora!”

Ilusão! Todos poderiam ter feito diferente, mas nem todos pensaram desta forma, no desejo incessante de ter bens duráveis, parcelaram.  Instantaneamente elas tiveram outra coisa a seu favor: o crédito! Imediatamente fizeram do poder de compra uma classe social. Praticamente ao melhorar a classe social, não olharam o endividamento obtido para obter tal êxito.

Porque ao invés de comprar não investiram?

Alguns de vocês já fizeram o teste para saber a qual classe social pertencem?  Clique aqui caso nunca tenham feito, e vejam qual é a sua classe social.

Eu acredito que este teste é uma forma de tapar o sol com a peneira. Simplesmente porque ele vislumbra o número de bens que você adquiriu. Ele não se importa se tem casa própria, mas tão somente se tem bens duráveis. Ele não olha as parcelas que você sua para pagar, mas se você teve acesso ao crédito.

Vou deixar algo bem explicito: o nosso artigo é sobre as suas atitudes mediante o dinheiro.

Por qual motivo não buscamos a ordem financeira quando tivemos oportunidade?

Por qual motivo fizemos dívidas ao invés de investirmos?

O que nos fez virar consumistas dependentes?

É muito fácil criticar e olhar para o lado. Acredito que muita gente olha mais para a grama do vizinho, e esquece de regar a sua. A maioria das pessoas sonhavam com uma vida diferente, com os bens que nunca puderam ter, e a vida mostrou um jeito fácil de adquirir. Mas não disse que a canoa poderia virar, que os ventos sempre mudam os rumos.

Antes de fechar uma conta mensal ou comprar algo novo, façam o exercício abaixo:

Necessidade ou Supérfluo?

  • TV a Cabo;
  • Telefone fixo;
  • Fast Food;
  • Festas em espaços de festas;
  • Trocar de celular todo ano.

Embora, se formos colocar todos os itens que nos diziam supérfluos e que agora  fazem parte do cotidiano das pessoas, iriamos passar horas a fio enumerando. Porém, a ideia aqui é fazer você pensar melhor sobre seus gastos.

Inicialmente vamos cortar a tv a cabo! E sim, é um gasto supérfluo e muito caro. Tendo em vista que as operadoras vendem pacotes fechados com telefone e internet, quem sabe não chegou a hora de você mostrar para as operadoras o seu poder de decisão. Agora, pense bem: se você tem internet, precisa de tv a cabo hoje em dia? Muitos  leitores sobreviveram com tv aberta, logo, nenhuma criança morrerá caso não tenha cartoon.

Em seguida, temos o telefone fixo. Porque você acha que ainda precisa de um? Seu celular funciona e está com você em todos os lugares? Por qual motivo pagar por algo que só representará gastos?

Logo após, eu coloquei o Fast food! Além de ser extremamente supérfluo faz  mal para a saúde. E muita gente compra devido a correria diária, ou para se . Será que realmente o  seu filho merece: ver você jogar dinheiro fora com algo que lhe fará mal, para gastar com remédios no futuro? Maldade é não ter coragem de dizer NÃO para algo que realmente fará mal.

Definitivamente enumerei outros itens, mas explicar meu ponto de vista sobre todos irá fazer com que este texto fique demasiadamente longo.

Em resumo, organize suas contas para eliminar o supérfluo, construir alicerces fortes que não se abalem com grandes tempestades. Em seguida comece a investir visando o longo prazo, para que quando os ventos mudarem o rumo, você os acompanhe sem estremecer as bases.

Acha que terá dificuldade para mudar clique aqui e leia o artigo que escrevi sobre mudança de mentalidade ou  compre o e-book que terá mais informações, clicando aqui.

Outra dificuldade que as pessoas podem ter para mudar é saber o que realmente precisam mudar, então clique aqui para entender melhor sobre seus pontos fracos e fortes.

Se conheça para começar a mudar!

 

Autor: Nádia Ferraz

Sou formada em Gestão Hoteleira pelo IFG-GO e pós graduada em Controladoria, Auditoria e Finanças pela FGV. Trabalhei com finanças nos últimos 10 anos, e tenho orgulho de tudo que fiz para que a empresa se mantivesse no mercado no período de crise. Aprendi a organizar finanças tendo como base sonhos de curto prazo, e obtive sucesso, realizando todos eles. Nunca fui escrava do dinheiro, mas uso como trampolim para a realização dos meus objetivos. Eu corro riscos calculados! Planejo exatamente tudo que preciso fazer e coloco todos os problemas - sendo que os problemas não me fazem desistir, mas pensar em soluções para cada situação que puder ocorrer. Este projeto eu comecei para ajudar as pessoas na parte de educação financeira sem falar de balanços, dre's ou outros termos técnicos que muitos insistem em usar. Eu quero mostrar apenas que com planejamento é possível você mudar o seu mundo. Não mude o mundo inteiro, mas se você mudar o seu, você irá incentivar outra pessoa a mudar. e aos poucos iremos criar uma sociedade menos consumista e com um futuro que não dependa da Previdência, não é mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *